Voltar para As capas dos discos da minha vida
Com que Voz (1970)
Amália Rodrigues
Capa 01
01Vozcontra
01Voz

Minha apreciação (1 a 5)   * * * * *

O meu pai comprou uma TV lá para casa corria o ano de 1962/ 63, tinha eu uns 4 ou 5 anos e entre algumas memórias há uma muito forte dum filme do Tarzan... Uma outra, inesquecível, era quando há noite após o jantar o meu pai dizia “silêncio que se vai cantar o fado”... Eu, que me lembre, nessa idade não ligava nada aquilo... Era até uma grande “seca”...

Hoje, já com muitas horas de audição de vozes dos mais variados tipos e estilos, posso dizer que já ouvi de tudo o que havia para se ouvir... O que vou agora escrever, com um certo gozo diga-se, é que não ouvi voz alguma como a da Amália Rodrigues... Já tive momentos de altíssima satisfação e agrado mas nenhuma outra interpretação e voz conseguem o que sinto quando ouço a Amália dos bons tempos...

Diria que tem um certo poder... É difícil de explicar mas em certas interpretações tem o condão de me arrepiar e a minha pele fica até eriçada... Digamos que a voz da Amália tem esse poder da mesma forma que existem vozes que têm o dom de partir, por exemplo, copos de vidro... É para mim uma coisa verdadeiramente extraordinária e por isso aos meus 52 anos de idade posso finalmente dizer que será “Amália Forever”... E pronto, está dito...


João Couto
18/ 01/ 2011
in Facebook



Vinyl LP tracks
/ Som

A1 Naufrágio
A2 Maria Lisboa
A3 Trova do vento que passa
A4 Com que voz
A5 Cravos de Papel
A6 As mãos que trago

B1 Gaivota  5:00        Gaivota  4.33         Gaivota  3:03          Gaivota   4:43         Gaivota  4:35
B2 Havemos de ir a Viana  3:13        Havemos de ir a Viana
B3 Cuidei que tinha morrido
B4 Formiga bossa nossa
B5 Meu limão de amargura
B6 Madrugada de Alfama



Review by Fernando Forte

Allthough everything she did was simply great and magical, "Com Que Voz" is Amália's best record, rated by critics and public alike as one of the best, if not the best of Portuguese albums of all time. And the reasons are also apparently simple, but unique: the musical arrangements and melodies, the words of the songs, and Amália's unique and unforgettable voice. She chose to sing poems by some of the greatest Portuguese-speaking poets of all time, like David Mourão-Ferreira, Alexandre O'Neil, Ary dos Santos, Manuel Alegre, and the brazilian Cecília Meireles. The music was composed by Amália's "private" composer, who chose only to write music for her voice, Alain Oulman, of French-Portuguese origin, whose melodies allowed for a greater extension and colloratura, adequate to all Amália could give and waiting for her total delivery. From the deep-felt sad poetry of songs like "Naufrágio", "Cuidei que Tinha Morrido", to the lighter and happier tunes of "Maria Lisboa", "Havemos de Ir a Viana", inspired in portuguese folklore, to the bossa-nova inspired "Formiguinha Bossa Nova", and finally to the soulfullness of the great love songs like the ever flying "Gaivota" (Seagull), and "Meu Amor, Meu Amor" (My Love, My Love"), Amália's voice runs the gamut of all emotions, from a light-hearted jolly mood to an austere deeply-felt sincerity, awesomely but beautifully conveyed by her powerful, strong voice and its beautiful colloratura. Listening to Amália is listening to a new world unraveling in one's heart. Simply the best!  ver mais



Discografia             rateyourmusic            Wikipedia



Voltar para As capas dos discos da minha vida